Em qual perfil de empreendedor você se encaixa?


Seja você esse sujeito ousado e criativo, e adquira mais liberdade financeira!  Esta é a hora de revelar para o mundo aquela sua ideia ou projeto parado, engavetado… Quem sabe, essa não é a oportunidade de você fazer um bom negócio?

O tempo é de ter um espirito empreendedor! Dados sobre o empreendedorismo no Brasil, divulgados pelo site da Revista Exame[1], mostram os resultados obtidos por uma pesquisa desenvolvida pelo Global Entrepreneurshhip Monitor (GEM): o Brasil possui uma taxa de empreendedorismo de 38%, em comparação com outros países. Traduzindo: são 52 milhões de brasileiros que possuem o seu próprio negócio!

Entre a faixa etária de 18 a 64 anos, os dados revelam que esses sujeitos atuam ou estão desenvolvendo alguma atividade empreendedora/empresarial numa taxa de 36 para em cada 100. Na idade dos 25 a 34 anos, 30,5% destes já possuem a sua empresa, independente do porte da mesma. Entre os 18 e 24 anos, a taxa de empreendedorismo é 20,3%, e o cenário brasileiro se mostra cada vez mais vantajoso para quem deseja investir em seu próprio negócio.

SER EMPREENDEDOR

Ser empreendedor é um sujeito que não tem medo de desafios, que não cansa de sonhar com o futuro, mas que age com todas as forças para conquistar a sua independência profissional e financeira, pois não é fácil ser dono (a) do próprio nariz!

Em qual perfil de empreendedor[2] você se encaixa?

*conhecimento: através de um conhecimento em um específico ramo ou área, busca capitalizar, ou seja, ganhar dinheiro;

*cooperado: vinculado às cooperativas, e está sempre disposto a trabalhar em equipe visando à independência;

*coorporativo ou intraempreendedor: empreende nas atividades desenvolvidas em determinada empresa- este funcionário almeja ascender na sua atividade profissional;

*fraqueado e franqueador: o franqueado é responsável por gerir um empreendimento, independente de ser uma franquia; já o franqueador, o que oferece a franquia, tem como finalidade expandir o seu negócio;

*individual: o sujeito informal que adquiriu formalização por meio do MEI e abriu uma empresa, geralmente trabalhando sozinho, com um mínimo de funcionários;

*informal: para este modelo de empreendedor, o importante é resistir no mercado de trabalho;

*negócio próprio: é o tipo que está mais em alta, sendo aquele que tem ambições e pensa no futuro, além de ser ousado e destemido;

*público ou empreendedor governamental: é o profissional que trabalha no serviço público;

*social: sente a necessidade de prestar um serviço à sociedade; trabalha em equipe e deseja ser um modelo ou guia para as pessoas.

Contudo, algumas etapas são importantes nesse processo:

  1. Seja positivo sempre!;
  2. Tenha inspirações (busque pessoas e veja as suas histórias de superação, por exemplo);
  3. Explore em si, o potencial criativo para seu futuro negócio;
  4. Busque o conhecimento: estude sobre o ramo profissional que deseja atuar;
  5. Planejar e investir no seu negócio: elaborar um plano de negócio pensando: onde vou atuar? Qual é o cenário ou a realidade desse negócio? E o orçamento? As pessoas, processos e produtos envolvidos? O plano de marketing de divulgação? As ferramentas ou softwares de gestão administrativa, de contabilidade? Quem são os concorrentes? Como avaliar os riscos?, e ademais…;
  6. Conte com profissionais qualificados;
  7. Invista no mundo digital: uma loja virtual, e-commerce, marketing, ferramentas ou softwares de gestão administrativa para sua futura empresa.

[1] Taxa de empreendedorismo no Brasil chega a 38%. Site Revista EXAME, 2019. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/negocios/dino/taxa-de-empreendedorismo-no-brasil-chega-a-38/>. Acesso em: 27 ago 2019.

[2] Classificação de José Dornelas, em seu livro Empreendedorismo para Visionários. In: ZUINI, Priscila. Os 9 tipos de empreendedores mais comuns no Brasil. Revista Exame, 2014. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/pme/os-9-tipos-de-empreendedores-mais-comuns-no-brasil/>. Acesso em: 28 ago 2019.

Deixe uma resposta

Fechar Menu